Doenças

Ambliopia

Ambliopia define-se como uma baixa acuidade visual em um ou ambos os olhos. É mais conhecida como "olho preguiçoso". É uma doença que pode ser prevenida e tratada quando descoberta.

Causas: As maiores causas da ambliopia são: estrabismo, a diferença de grau entre os dois olhos que chamamos de anisometropia, altas ametropias que não foram corrigidas precocemente e também perda visual por falta de estímulo.
Fatores de Suspeita: Ao nascer: perceber um reflexo vermelho diminuído ou ausente. Aos 2 meses: estrabismo constante, doenças como catarata e glaucoma congênitos (detectados no teste de olhinho).

Ceratocone

O Ceratocone é uma patologia muito estudada, pois a hereditariedade (etiopatogenia) não está completamente esclarecida. Acredita-se tratar de uma disfunção nas fibras do colágeno que compõem as estruturas de camadas da córnea.

 

O Ceratocone é realmente um astigmatismo muito elevado chegando ao ponto de formar um "bico" na região central da córnea. Este "bico" ou cone, daí o nome Ceratocone (cerato= córnea + cone, em forma de bico), pode ser localizado centralmente, assim como descentrado inferior ou superiormente na região da córnea. Os mais freqüentemente diagnosticados são os centrados e os inferiores. Esta doença faz com que a pessoa tenha uma visão completamente distorcida.

Presbiopia

Com o passar dos anos a capacidade do olho se auto-ajustar às diferentes necessidades de foco diminui, por causa do cansaço das fibras musculares do Corpo Ciliar do olho. A esse problema damos o nome de Presbiopia e seu efeito normalmente começa a ser percebido após os 40 anos de idade, pela dificuldade para enxergar para perto ou com dores de cabeça quando lemos ou realizamos trabalhos manuais, por exemplo.

Tratamento: Hoje, com os avanços da tecnologia somados ao conhecimento e experiência dos oftalmologistas, podem ser encontradas soluções para praticamente todos os problemas refrativos, dependendo muito da avaliação e o critério do Oftalmologista. Muitos fatores devem ser levados em consideração como idade, condições do olho e biofísica do paciente, principalmente quando há a possibilidade de correção cirúrgica.

Transplante de Córnea

Infecções na superfície da córnea, lesões perfurantes, ceratocone avançado, cicatrizes corneanas antigas, falência corneana são algumas indicações para um Transplante de Córnea, para a tomada da visão.

A córnea é um tecido "avascular" (não possui vasos sangüíneos), e por essa razão o índice de rejeição é muito baixo, diferente de um transplante hepático (rim ou outro órgão).

O Transplante de Córnea é simples e rápido, sendo realizado em menos de 1 hora, sob anestesia local e leve sedação. Embora o risco de rejeição seja extremamente baixo, é necessário o acompanhamento pós-operatório para controle e evolução da cirurgia.

O Hospital de Olhos Oeste Paulista é hoje um dos maiores transplantadores de córneas do Brasil.

Derrame Retiniano

Quando os vasos da retina estão ocluidos devido ao aumento da pressão arterial, êmbolos gordurosos, colesterol ou em pacientes diabéticos com vasos da retina mais frágeis, ou ainda após um trauma ocular grave, existe um vazamento de sangue sobre toda a retina e que se deposita no vítreo. Este sangue bloqueia a entrada de luz nos olhos causando baixa na visão dos pacientes.

Tratamento
Este problema é facilmente tratado através da cirurgia chamada vitrectomia.

DMRI - Degeneração Macular Relacionada à Idade

A Degeneração Macular Relacionada à Idade - DMRI é uma doença que decorre da incapacidade de uma camada da retina de expurgar, remover, o "lixo" que é produzido pelas células.
Este "lixo", chamado de lipofucsinas se acumula entre as células do epitélio pigmentar da retina e dos fotorreceptores, causando uma destruição destas células. Esta destruição celular leva à uma baixa visual do paciente que pode ser tratado precocemente através do uso de antioxidantes via oral.
Nos estágios mais avançados, toda a retina do paciente atrofia, e estes pacientes precisam ser submetidos a tratamento de visão subnormal, que são tipos de lentes especiais para pacientes que não tem mais.

MNSR - Membranas Neovasculares Sub-Retinianas

Membranas Neovasculares Sub-Retinianas são conseqüência do crescimento dos vasos da coróide entre o folheto (os tecidos) interno e externo da retina. Tal crescimento acontece por conseqüência da idade, após traumas oculares ou por inflamações intraoculares (uveítes).
As membranas neovasculares sub-retinianas, ou MNVSR diminuem significativamente a visão dos pacientes.
Tratamento: Podem ser tratadas através de cirurgia ou aplicação de Laser. Das cirurgias, a mais conhecida é a remoção das Membranas Neovasculares Sub-retinianas. O tratamento a laser pode ser feito através de laser convencional.

Toxoplasmose Ocular

Das uveites (inflamações de fundo de olho) conhecidas, a toxoplasmose Ocular é a causa mais freqüente de uveítes em nosso pais. A toxoplasmose ocular acontece pela infecção do protozoário chamado "toxoplasma gondii".

O "toxoplasma gondii" é um parasita que é disseminado por fezes de gato e também de pombos. É ingerido acidentalmente pelos pacientes através de carne crua ou até mesmo frutas e verduras contaminadas pelas fezes destes animais, que são os "hospedeiros intermediários" do protozoário. Ele se deposita na retina e trato uveal do paciente, causando a chamada toxoplasmose ocular.

Plástica Ocular

O campo da Plástica Ocular é um campo vasto que envolve basicamente dois segmentos:
- A plástica estética.
- A plástica reconstrutiva.

Próteses oculares

Infelizmente, há casos de acidentes ou até mesmo doenças que fazem com que uma pessoa perca um ou ambos os olhos prejudicando muito a estética.

Hoje a tecnologia de próteses ópticas conseguem quase que reproduzir uma cópia do olho remanescente.

Um outro tipo de próteses que está sendo testada e desenvolvida é a Prótese Retiniana, que é uma possibilidade para quem já perdeu a visão de tê-la parcialmente recuperada. O procedimento acontece através de um implante de uma placa eletrônica de nanotecnologia com 32 fotoreceptores, a qual converte os impulsos visuais em estímulos elétricos para o Nervo óptico fornecendo ao cérebro uma "sensação de imagem".

Catarata

A catarata é a opacificação do Cristalino (a lente natural que nascemos com ela). A remoção do cristalino opaco recebe o nome de cirurgia de catarata ou Facectomia. A maior parte das pessoas acima de sessenta anos sofrem de catarata, mas algumas pessoas mais jovens também podem apresentar o problema.

A catarata é um turvamento progressivo do cristalino, interferindo na absorção da luz que chega à retina. As pessoas que tem catarata tem a sensação de estar olhando através de uma cortina de água ou uma folha transparente com embaçamento ou mesmo uma diminuição da visão.
Não existe tratamento clínico para reverter à catarata. Quando esta já foi formada.

Doenças refrativas

O que refração?

Refratometria é o meio utilizado para se conhecer as condições ópticas do olho; refração é o estado óptico do olho, o que precisa ser usado para que as imagens se formem na retina. As anomalias do estado óptico do olho são chamadas de "vicíos de refração".

 

Os vícios de refração

 

Miopia - a miopia ocorre quando a imagem forma-se antes da retina, por este motivo não consegue identificar os objetos de forma correta é preciso colocar muito perto para poder observá-los.

Normalmente não é hereditário, porém existem uma predisposição racial.
A pessoa míope vê bem de perto e apresenta dificuldade em ver longe.

A correção óptica pode ser feita com máxima segurança com moldagem da córnea pelo Excimer Laser.

As principais complicações associadas com as altas miopias são:

  • deslocamento de retina;

  • estrabismo divergente;

  • alterações maculares.

 

Hipermetropia - ocorre quando a imagem é formada após a retina, por este motivo tem dificuldade de identificar objetos de perto, exigindo um esforço acomodativo constante.
Esse esforço pode causar cefaléias, ardor, desconforto visual-sensação peso ocular e lacrimejamento.

A correção óptica pode ser feita com máxima segurança com Excimer Laser.

As complicações mais comumente associadas aos hipermétropes são:

  • ambliopia;

  • etrabismo convergente;

  • após 50 anos de idade, glaucoma agudo.

 

Astigmatismo - ocorre quando a córnea não é esférica, as distâncias entre os eixos são diferentes, impedido a formação de uma imagem clara e nítida na retina.

Pterígio

O Pterígio é um crescimento anormal de uma fina membrana que reveste todo o nosso olho, com exceção da córnea, denominada Conjuntiva. Acredita-se que este crescimento demasiado é devido, principalmente, à ação dos raios solares, tanto que nas regiões tropicais a incidência do Pterígio é muito maior quando comparada às regiões mais frias.

Este Pterígio cresce, invade a córnea e pode comprometer muito a visão, além de dar uma sensação de areia nos olhos e deixá-los constantemente vermelhos (congestionados).

Tratamento: A cirurgia de Pterígio depende do tamanho do mesmo. Pode ser realizada uma exerese, ou seja, sua remoção cirúrgica.

Buraco macular

O buraco macular é uma doença que afeta mulheres acima de 50 anos. Pode ocorrer em homens, mas é muito menos comum. O buraco macular consiste na formação de um orifício na área macular conseqüente a uma tração nas bordas da retina nesta região.

Pode ocorrer após traumas oculares ou com a diminuição de hormônio feminino, o que leva a tração na mácula. Este problema é bilateral (ambos os olhos) em 20 a 30% dos casos e é facilmente tratado; hoje, através de uma cirurgia chamada vitrectomia. No fim deste procedimento é injetada uma bolha de gás dentro do olho do paciente que fecha o buraco na mácula. Este procedimento necessita que o paciente fique em "decúbito ventral" (de barriga para baixo).

Doenças do Vítreo

Dentre outras patologias do segmento posterior que envolve o Vítreo destacamos duas bastante singulares, que não deixam de exigir atenção do oftalmologista:
- As Môscas Volantes são células mortas que ficam "flutuando" no vítreo. São facilmente percebidas quando olhamos para uma parede branca e enxergamos pequenas manchas, parecidas com poeira, se movimentando na vista;
- Fotopsia é um fenômeno que ocorre em nossos olhos, perceptível quando estamos no escuro ou fechamos nossos olhos, ou ainda quando estamos sob forte iluminação. Trata-se de pequenos pontos luminosos que surgem e desaparecem como minúsculas fagulhas.
Pessoas que percebem estes sintomas.

Inflamações na coróide - Uveíte

As inflamações na coróide, também chamadas de Uveítes, são doenças em que essa porção do globo ocular (coróide) se inflama.
Podem ser conseqüentes de doenças auto-imunes, infecções, traumas oculares, ou reumatismo.
Tal inflamação pode levar à uma inflamação no vítreo, fenômeno chamado de vitreíte, o que diminui significativamente a visão dos pacientes.
Tratamento: Normalmente são tratadas com corticóides, imunosupressores ou até mesmo com cirurgia de vitrectomia.
As uveítes podem levar a uma baixa visual irreversível se não tratadas adequadamente.

Retinopatia Diabética

A Retinopatia Diabética é uma doença em que os vasos da retina sofrem pequenas perfurações, chamados "microaneurismas". Estes microaneurismas vazam líquido e componentes do sangue, encharcando a retina. A região macular da retina fica "inchada" distorcendo a visão dos pacientes.

Com o tempo acontece um maior vazamento dos componentes sangüíneos e a hemorragia vítrea (derrame retiniano) é conseqüente e o descolamento da retina por tração do sangue sobre a mesma acontece.

Estes pacientes perdem significativamente a visão podendo até mesmo ficar cegos.

Estrabismo

O Estrabismo é uma deficiência das funções dos Músculos Extrínsecos que são seis feixes de músculos na lateral externa do olho (Esclera), e que são responsáveis pelos movimentos (motricidade) dos olhos para cima, para baixo e para os lados. Acontece que, por má formação ou "preguiça" de um ou mais destes músculos, um dos olhos não acompanha o outro no mesmo "eixo" de visão (eixos visuais estão desalinhados), fazendo com que o paciente tenha uma visão dupla de um mesmo objeto (falta de fixação bifoveal). O estrabismo está dividido entre os paralíticos, restritivos ou essenciais. Quando o estrabismo apresenta-se em apenas um olho, significa que a criança só usa um dos olhos, possivelmente o olho que não é usado é o amblíope. Existe o Estrabismo Convergente, ou seja, os olhos convergem para o centro do rosto. E o Estrabismo Divergente, ou seja, os olhos tem os seus eixos de visão "afastados".

Plástica Ocular

O campo da Plástica Ocular é um campo vasto que envolve basicamente dois segmentos:
- A plástica estética.
- A plástica reconstrutiva.

Visão sub-normal

Considera-se visão sub-normal a melhor visão possível, ou seja, a melhor visão corrigida possível, no melhor olho ou então com um campo visual muito restrito, abaixo de 30 graus.

Existem auxílios ópticos, quando o paciente se encontra nesta situação, entre eles: lupas, tele-lupas, óculos esfero-prismáticos, CCTV (que é um sistema de captura e projeção de imagens numa tela de TV interna) até mesmo o Método Braile e orientação de deambulação (adaptação de movimentação) para casos mais extremos onde nem mesmo a luz é percebida pelo paciente.

Infelizmente algumas patologias são irreversíveis e o oftalmologista muitas vezes, não consegue reverter a baixa de visão à qual o paciente foi submetido.